domingo, 18 de novembro de 2012

Reflexões de Domingo à noite

Como já devem ter reparado, ou provavelmente não, este blog mudou de estética. Diriam vocês que se trataria de um belo make-over mas a verdade é que não. Simplesmente fiz merda enquanto andava a tentar brincar com isto e depois fodeu-se. O meu blog foi ao ar e assim do nada tive de começar a montar qualquer coisa que se parecesse com o anterior e já agora com umas ligeiras mudanças.

Portanto, continua esta miscelânea de fundos pré-definidos com cores que não batem com nada porque eu sinceramente estou-me a cagar para essa parte. Eu quero é dizer badalhoquices.

Hoje é Domingo e depois de ter dado o fora às flammes e ter optado pelo naco ( a decisão mais acertada da minha vida convenhamos, que aquilo sim parece meita com coisas). Passei a manhã a aliviar a ressaca e a tarde a ouvir música de Natal e, vá, a trabalhar que eu ainda não consigo viver apenas do comer, beber e foder.

Agora resta-me o final da noite para escrever postais de Natal enquanto respiro fundo para não partir a box da Zon que está sempre a ir abaixo, geralmente quando a Teresa Guilherme está a proporcionar um bom momento badalhoco.

Gostaria muito que a Vanessa saísse porque uma casa cheia precisa sempre de uma boa fufa já dizia o meu avô (nunca disse). E porque a Vanessa está ali só a peidar-se porque pouco mais faz. Estou também a questionar o porquê do boato do pai do Cláudio ser bichona. O que me perturba é o porquê de ser boato quando o homem é a cara chapada do João Chaves que por sua vez nada tem de bicha claro. E porque fala com aquela voz arrastada de tia esticada pós-AVC. Sinceramente preferia que a bicha fosse o filho mas pronto, foi o que Deus deu à comunidade paneleira e lá teremos de o aceitar de braços abertos e meia dúzia lá o aceitará de cu aberto embora pensar nisso me provoque uma certa indigestão. Quando ele decidir abrir as portas do seu armário porque deve achar que somos todos parvos. Além de que o homem é parvo como a batata doce.


Até amanhã que vou ali votar dez vezes para sair a Vánéssa.


1 comentário:

Rute Roquefort disse...

...e foi a peidorreira da Vanessa que saiu naquele final de semana.

Acabou-se a história, e o mau cheiro.

Beijinhos com aroma a lavanda.