segunda-feira, 31 de outubro de 2011

In Bruges

À parte da cidade que abrange os mais diversos scores de higiene, o hotel era fantástico. Adormeci a ver um filme sobre um cão que me deixou deveras perturbado.
Dormi mais uma hora do que é suposto e fui tomar banho. Mais uma vez, roubei a loção de corpo do hotel, contra a vontade de certa pessoa que diz que pareço um pelintra sempre que faço isso e que qualquer dia temos produtos de higiene hoteleiros armazenados em casa para África inteira (não o país da América do Sul, mas o continente).

Fomos conhecer Gent: uma cidade com cara lavada e com rostos lavados. Tipicamente europeia na sua concepção, com edifícios bonitos e praças várias com encantos próprios. Como ainda não tínhamos comido nada, tentei por tudo arriscar numa esplanada qualquer típico-turística. Mas só conseguia ler croken, oosten e fracht em todo o lado e não me estava nada a apetecer terrinas surpresa àquela hora do dia. Pizza Hut com ele.

Já de barriga cheia após uma pepperoni lovers confeccionada com os mais frescos ingredientes belgas, partimos rumo a Bruges. A única referência que tinha de Bruges era de um filme com Colin Farrell que me deu grandes doses de sono e cuja única parte recordava, era a de um suicídio a partir de uma torre gigante. A cidade tem um encanto muito especial por ver conservadas as fachadas históricas pitorescas por entre rios e igrejas. É um must visit para qualquer pessoa que se encontre por perto (ao contrário de Antuérpia).
E claro, chocolateries por toda a parte não fosse a Bélgica exímia no fabrico de chocolates.



Amanhã vamos rumar a Disney e revisitar a minha amiga Rata Minnie.

1 comentário:

Gato disse...

Também já fui e adorei! Mas tive um dia em cada sítio. E o bar com as cerbejas todas desse país!?