domingo, 19 de maio de 2013

A co-adopção das crianças que não têm culpa, e os opinadores extremistas que não foram abortados às 10 semanas

Eu soube recentemente que foi aprovada uma lei de co-adopção para homossexuais. Não sabendo exactamente do que se trata, pouco me importa neste momento que aquilo que eu menos quero neste momento é um pirralho a correr de um lado para o outro enquanto tento fazer coisas muito importantes como escrever neste blog.
Tenho um peixe que já me dá muito trabalho e estou a ponderar dá-lo para adopção. Podem ser co-paneleiros que ele também não se importa.

Tomei conhecimento de um texto escrito por uma "jornalista?" através de uma fiel leitora deste blog. Não tendo uma opinião claramente formada sobre este assunto, gosto de espreitar o que as pessoas escrevem quando estão claramente a ter um AVC ao teclado e a perder o controlo do esfíncter enquanto debitam merda por todos os lados, como o fogo de artifício da Madeira.

Quero agradecer a Teresa Leal Coelho (...) "os sociais-democratas que votaram a favor do diploma" e ao (...) do PSD; e (...) do CDS-PP, por terem perdido uma das mais fervorosas apoiante da Direita portuguesa. A partir de hoje não contam com o meu voto para nada, nem, com o meu apoio. 
 Quero também dizer que quando as pessoas dão crianças a homossexuais, estão a dar-lhe dois pais ou duas mães e não estão a pensar nas crianças abandonadas que têm o direito de ter uns pais substitutos o mais semelhante possível com a família biológica. E a família biológica NUNCA são dois pais e duas mães, NUNCA. Porque será? (A Natureza é tão homofóbica!).
E quando me vêm com aquele argumento falso de que é melhor as crianças serem adoptadas por homossexuais do que estar em instituições eu pergunto. Porquê? Porquê é que a instituição é o pior que pode acontecer à criança? São maltratados lá? As instituições maltratam as crianças? Não cuidam delas? É diferente de uma família normal? É. Mas também os pais homossexuais são diferentes de uma família normal. 
Eu acho que há instituições que são melhores do que muitas familias biológicas. Ali não são violadas, nem mal tratadas.
Pelo menos nas instituições não correm o risco de chegarem a adolescência e serem seduzidos pelos pais.

P.S. Escusam de vir aqui insultar-me que eu não dou cobertura a insultos.

Vamos por partes: "Quero agradecer a Teresa... A partir de hoje não contam com o meu voto". Minha querida, eu é que agradeço porque pelo texto que você escreve enquanto um trombo obstrói simultaneamente uma parte do seu cérebro, você deveria ser banida de votar em seja o que for. Com as suas faculdades mentais eu não confio em si sequer para votar no Zézé Camarinha para ser expulso do Big Brother.

"Quando as pessoas dão crianças a homossexuais, estão a dar-lhe dois pais ou duas mães". Fico feliz que o conceito de homossexualidade tenha ficado bem claro para si. Só tenho pena de o ter confundido com o conceito de pedófilo.
"E a família biológica NUNCA são dois pais e duas mães, NUNCA". Fico também feliz por me ter esclarecido essa pequena nuance tão fervorosamente porque achava mesmo que com sexo anal, ia conseguir gerar uma Constança. Tirou-me um peso de cima sabe? Andava a tomar a pílula do dia seguinte porque eu sou assim como você: lerdo.

"têm o direito de ter uns pais substitutos o mais semelhante possível com a família biológica" Aqui é que a porca torce o rabo. Deixe-me explicar-lhe: o conceito de adopção invalida à partida que qualquer casal adoptivo (sejam fufas, ou swingers heterossexuais) seja a família biológica. A não ser que os pais andem a fazer bebés para dar à adopção e depois os vão buscar à instituição outra vez, duvido que se consiga a família biológica que você tanto preconiza. 
Mas se quer que me assemelhe a uma família biológica, farei um esforço para pesquisar o background da criança. Se a mãe era prostituta, vou fazer por ser a melhor puta de Lisboa para que a criança não estranhe o parentesco; se os pais eram toxicodependentes na miséria, esbanjarei o meu dinheiro em heroína e farei das minhas veias um sósia dos pais que a criança nem vai notar a diferença; se os pais estão presos, vou a sua casa dar-lhe dois tiros nos cornos e rapidamente serei o pai a que aquelas crianças se habituaram biologicamente. Se você os adoptar, aí será complicado porque nenhuma criança a ser entregue a uma instituição por uma mãe com dois dedos de testa merece ser adoptada por uma atrasada mental que constrói lógicas da batata assada.

"Ali não são violadas, nem mal tratadas. (...) não correm o risco de chegarem a adolescência e serem seduzidos pelos pais." Aqui é o momento em que você se despede do jornalismo e dedica-se à confecção de pastéis de feijão. Devo dizer-lhe que o seu conhecimento das notícias dos últimos anos em Portugal é irrepreensível. A Casa Pia na verdade foi um parque de diversões e as célebres pilas que lá andaram a fazer das suas eram espetos de algodão doce. Na verdade os milhares de casos de pais que violaram as filhas BIOLÓGICAS são apenas casos de demonstração de carinho mal entendidos. Fala das repercussões de adopção pelos paneleiros com tal conhecimento de causa que iria julgar que essa gente porca não-biológica já anda a adoptar há décadas uma vez que você reuniu resultados de anos e anos de estudos, ignorando os casos heterossexuais que andam aí aos pontapés mas que nada têm a ver agora com o caso.

Deixe-me salientar que não estou a dizer que concordo. Tenho os meus receios no que concerne ao meio sociológico onde a criança se irá inserir, alvo de chacota por parte das crianças com pais heterossexuais e biológicos que não tiveram a educação de respeitar o próximo. Só isso. Ainda não posso afirmar se os pais homossexuais irão comportar-se como alguns pais heterossexuais e violar os filhos não biológicos na ausência de algo melhor para fazer. Não tenho nada contra a sua heterossexualidade, atenção, mas neste momento são os dados que existem. E felizmente não são extensíveis a todos os heterossexuais senão a expressão "iniciação à vida sexual" dos adolescentes (ou criancinhas) ja teria ganho um novo significado. Mas se algum dia precisar de babysitter espero encontrar uma fufa barata porque a si não lhe contrato nem a feijões. Porque você, sábia heterossexual, poderia violar o meu filho.

Escusam de vir aqui insultar-me que eu não dou cobertura a insultos. Não querida. Você insulta-se a si própria.

10 comentários:

Linda Porca disse...

Gosto cada vez mais de te ler.
Parabéns. Mil vezes!

Poisoned Apple disse...

Amei! :)

Horatius disse...

Adorei o modo como desmontaste os argumentos da gaja... não que fosse difícil, diga-se de passagem, de tão estúpidos que eles eram (contudo, não penses que te estou a chamar "limitado", não é nda disso :)

Teria sido mais intiligente da parte dela se simplesmente dissesse que discordava com um dois chavões. Assim só se enterrou... lol

Tem o profissionalismo da Manuela Moura Guedes e a mentalidade da Isilda Pegado. Devem ser todas da mesma família...

XL disse...

Para quando o "crónicas de um Schnoof enraivecido"? Se eu tivesse conhecimentos no mundo editorial, arranjava-te uma cunha :)

Joana Mesquita disse...

BRAVOOOOOO! Partilhei na página do meu blog...
obrigada por responders ao meu pedido ;)

divagacoesaoluar disse...

Uma salva de palmas para o Schnoof ;)

ABCXZD disse...

Legislação da Parentalidade por Casais do Mesmo Sexo em Portugal

Mata Hari disse...

Só tenho de discordar numa coisa: eu gosto demasiado de pasteis de feijão para querer essa arara a fazê-los.

Anónimo disse...

http://www.telegraph.co.uk/news/newstopics/howaboutthat/9283214/Gay-penguin-couple-given-egg-of-their-own.html

http://www.huffingtonpost.com/2012/11/09/denmark-gay-penguins-fathers_n_2104190.html

Piston Homem disse...

Palminhas para você!