domingo, 11 de março de 2012

Quando dói menos a circuncisão que o Festival da Canção.

Há duas coisas que Portugal nunca há-de vencer nos próximos anos: um óscar e a eurovisão festival da canção. O primeiro porque 90% dos filmes portugueses são uma valente merda. Muitos pseudointelectualóides dirão que em Portugal é que se fazem bons filmes porque se foge ao que se faz no resto no mundo. Eu cá acho que o que se faz no resto do mundo, faz-se por uma razão: para não sair filmes de merda.

Quanto ao festival da canção, puta que pariu que aquilo está mesmo bom. Temos conseguido sacar progressivamente harmonias menos melódicas que o som das orcas a serem esquartejadas sem anestesia. E este ano decidimos levar, novamente, uma receita musical que nos tem garantido muito sucesso: o fado. E perguntam vocês: fados tipo os que cantam a Amália, Mariza, Camané, Carminho e tantos outros fados que têm feito a delícia dos portugueses enquanto género musical? Não, essas ficam guardadas para nós. O que queremos levar para a Eurovisão é fado feio. Fado das orcas esquartejadas. Fado de mãe a parir sem epidural. Fado do cu.

Eu pensei seriamente em escrever qualquer coisinha que se assemelhasse a uma musiquinha, que seria certamente um sucesso, mais não seja pela comparação com as actuais que é deveras intimidante. Mas após o sucesso, ia ter a Mafalda Veiga à perna para lhe escrever uma música que tivesse mais letras do que na na na na. E eu sinceramente não sei como escrever músicas monocórdicas sobre pássaros e um violão. A não ser que o pássaro e o violão sejam para enfiar na rata. Em simultâneo.

A modos que vou arriscar ser uma Maya sem cartas, e prever que a nossa música não vai ganhar a Eurovisão. É uma previsão ousada, eu sei; diria até arriscada. Mas tenho cá uma pulga atrás da orelha...

3 comentários:

Pink World Fabuloutin disse...

Desde que se mantenham os jantares de eurovisão em vossa casa já me estou nas tintas para as musicas que levamos!!! :s

et voilà... disse...

Nao ha convites para quem se cortou aos oscars....

O Manelinho! disse...

Esse festival é como o governo: mudam as moscas, mas a merda é sempre a mesma!