domingo, 8 de janeiro de 2012

Se páro de dizer asneiras, meto-me na droga

Hoje cheguei ao meu local de trabalho e dirigi-me aleatoriamente a uma colega para fazer o meu cumprimento habitual e eis que o diálogo processou-se da seguinte forma:

Eu, obviamente - Então badalhoca, cheiras a...
Ela - a cona já sei. Já mudavas de cumprimento.

Fiquei desolado e impávido como se me tivessem dado um murro silencioso. Eu sou um bardajão previsível, sem pingo de surpresa e sem provocar um microsegundo de choque. Eu sei que digo muitos palavrões e que tenho um dicionário da Porto Editora na minha cabeça só para sinónimos de cona. Mas foda-se, não posso deixar de dizer palavrões senão meto-me nas drogas. E não sou muito bom nisso, confesso.

Desde que deixei de fumar, não posso tocar num charro publicamente porque engasgo-me e pareço uma criança a tentar entrar no mundo fixe da droga.

Não snifo nem meto na veia, basicamente porque a minha conta bancária não tem onde cair morta.
A única vez que tomei uma pastilha foi porque queria ir embora do Lux e convenceram-me de que aquilo seria o elixir de uma noite fantástica. Pois merda. Foi o elixir de umas pernas irrequietas mas continuava a querer bazar... com a diferença de que as minhas pernas não paravam quietas. Só quero reforçar, caso não tenham percebido, que as minhas pernas não paravam quietas. Ainda fui arrastado para o Kremlin nessa noite, onde me ofereceram cocaína de um corrimão. Pensei ir lá sacudir aquilo com as mãos, mas tive medo que as histórias dos tiros no Kremlin fossem mesmo verdade.
Fui para casa mega drogado convencido de que teria tido muito mais sorte com uma lata de Red Bull.
E claro, com as minhas pernas que não paravam quietas.


A modos que eu não sou um bom candidato para a droga. Sou óptimo para o sexo, confesso, e se fosse solteiro, nunca recusaria uma bela orgia. Mas droga não.
Portanto só me restam as asneiras de consolação de um wannabe toxicodependente frustrado que tem momentos alucinogénicos só de ver a cara das pessoas depois de lhes dizer que a sua cona fede a meita fora de prazo. São desabafos... por um estilo de vida saudável.

5 comentários:

et voilà... disse...

Cheiram todas a cona as tuas colegas? Não te podem reprimir por seres sincero!

Pink World Fabuloutin disse...

Nós gostamos de ti assim... esperamos ansiosamente pela tua msg de Natal q é a única que apesar da época é sempre porca e nos continua a espantar... no dia em isso mudar quem se droga somos nós que já n é possível viver sem a msg de natal e o " vais à dança cona?"!!!

Don Draper disse...

a verdade vem sempre ao de cima. e o cheiro a cona também!

XL disse...

Mas elas ficariam menos chocadas se dissesses que cheiravam a ... isso mesmo que estás a pensar?

Anónimo disse...

Lol!!! Mentes pco "abertas"!! Cheiras a "fundissa" dizias-lhe tu...q a cona so qdo a lavas! Isso sim era uma resposta a la Schnoof! Bjs da Porny ;-)